História Pastorais Movimentos Comunidades Padres Dom Orione Notícias Seminário


São Bento e sua medalha

Bento nasceu na Itália em 480 e logo cedo foi estudar ciências liberais graças a situação abonada de sua família, que pode mandá-lo para lá. Nessa época, havia uma grande pressão em cima do Império Romano por conta das invasões dos barbáros e indignado, Bento acabou optando por se retirar e manter-se isolado em uma gruta.

Lá, Bento dedicou-se a oração e a vida de eremita. Era alimentado por um outro monge que através de um cesto erguido até o penhasco o mantinha munido de pão para completar a alimentação quase escassa. E assim foi-se por três longos anos.

Nesse período de solidão, Bento inspirou muitos outros jovens sedentos por cultivar seus valores cristãos que começaram a visitá-lo constantemente e em pouco tempo o seu sossego acabou. Parte dessa experiência fez com que Bento começasse a amadurecer cada vez mais a ideia de fundar um mosteiro e assim foi.

Aos 40 anos, Bento sai da gruta e ruma para o sul de Roma afim de fundar o que viria a ser o maior centro da vida beneditina de todos os tempos, o Mosteiro de Monte Cassino. E ali, era seguido o exemplo contrário ao rumo que Bento escolheu para a sua vida no passado. A vida deveria ser comunitária e não solitária e sob a direção de um abade.

E foi assim que Bento mudou a forma dos jovens viverem a vida monástica. Ao todo, foram mais de 12 mosteiros fundados por ele ao longo da história, onde cada vez mais famílias enviavam seus filhos jovens para iniciar os estudos e seguir a famosa “Regra de São Bento”.

Medalha de São Bento



A medalha de São Bento é um dos maiores símbolos e heranças deixadas por esse santo e seus significados e simbologia são de extrema importância para a Igreja Católica e para todos os seus devotos que a veneram com fé e amor.

As primeiras medalhas foram confeccionadas dentro do Mosteiro Cassino e como símbolo principal carregam a cruz, muito usada por Bento em diversas situações de sua vida, inclusive naquelas em que evitou por várias vezes a sua morte. Para Bento, o sinal da cruz era como um sinal de coisas boas sendo feitas, um sinal de vitória contra o mal e a morte.

A medalha sofreu várias variações e nas mais antigas é possível encontrar a figura de São Bento rodeada pela frase em latim “Eius in obitu nostro presentia muniamur” (que a hora de nossa morte, nos proteja tua presença). As medalhas mais atuais tem essa frase substituída por “Crux Sancti Patris Benedict” ou ainda “Sanctus Benedictus”.

Já na parte do verso, encontramos a figura de uma cruz com as seguintes inscrições:

- CSPB: Crux Sancti Patris Benedicti (Cruz do Santo Pai Bento)
- CSSML: Crux Sacra Sit Mihi Lux (Cruz Sagrada Seja a minha Luz)
- NDSMD: Non Draco Sit Mihi Dux (Que o Dragão não seja o meu guia)
- VRS - Vade Retro Satana: (Passe Reto Satanás)
- NSMV: Nunquam Suade Mihi Vana (Nunca Seduzas minha alma)
- SMQL: Sunt Mola Quae Libas (São coisas más que brindas)
- IVB: Ipse Venana Bibas (Bebas do mesmo veneno)

E em 1942, o Papa Clemente XIV aprovou o uso da medalha oficializando-a assim como um insturmento de adoração e devoção de fé, ao contrário do que muitos pensavam ser apenas um amuleto de superstição.

Oração à São Bento

"A Cruz Sagrada seja a minha Luz. 
Não seja o dragão o meu guia. 
Retira-te satanás. 
Nunca me aconselhes coisas vãs. 
É mau o que tu me ofereces. Bebe tu mesmo o teu veneno."
Amém (3x) A bênção de Deus Todo Poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo, desça sobre nós e permaneça para sempre. Amém.